Empreendedores do Condomínio Milagres denunciam fechamento de praia

Compartihe

Os empreendedores do Condomínio Milagres, responsável pela construção do projeto Orla dos Milagres, maior obra de infraestrutura turística de São Miguel dos Milagres, considerada a capital da Rota Ecológica, Litoral Norte, estão denunciando, depois de todos os entraves políticos e burocráticos para o início da obra, a ação de um empresário local, que não teve seu nome revelado, pelo fechamento, com portão e cerca de arame farpado, da área onde os trabalhos do projeto orla estavam sendo executados. A ação, considerada de cunho político pelos empreendedores, está atrapalhando a continuidade da obra, inclusive fechando o acesso a praia, o que eles consideram um “verdadeiro descalabro jurídico“, já que o projeto possui todas as licenças regularizadas, inclusive foi decretado de interesse público pela Prefeitura Municipal, com anuência da Secretaria de Patrimônio da União, justamente para que o projeto pudesse ser executado.

Segundo os empreendedores, com a nova gestão do prefeito Jadson Lessa, a obra de maior expressão de São Miguel dos Milagres, e de toda a Rota Ecológica, finalmente iria ser construída, após mais de 6 anos de tentativas nas gestões anteriores.  O prefeito, inclusive, afirmou que a obra seria feita, o que traria maior infraestrutura e desenvolvimento, colocando o município em condições de receber mais investimentos, atendendo assim, ainda melhor os turistas, como também toda a comunidade local.

Ainda segundo os empreendedores, com o início das obras, e os serviços começando a todo vapor para que a primeira parte fosse finalmente entregue até o fim do ano, o vereador Adolfo Verçosa, jogou nas redes sociais que o projeto estava destruindo a restinga, quando na verdade, o compromisso do projeto, diante da SPU, IMA, Prefeitura e Ministério Público era exatamente aquele de recuperar essa importante vegetação costeira, “degradada e irresponsavelmente retirada por comerciantes irregulares e pela circulação de veículos nos locais onde a restinga ainda resistia´´.  Os empresários lembram ainda que o projeto não custará um centavo sequer de dinheiro público e que o investimento superará um milhão de reais.

Por fim os empreendedores estarão enviando denúncia ao MPE, e ao próprio prefeito eleito, cobrando uma atitude firme contra o fechamento da área da obra, bem como do acesso à praia. Segundo a nota “Essa atitude está atrapalhando o crescimento, pois não se pode tomar para si uma  área que não lhe pertence, e que foi decretada de uso público para construção do projeto “Orla dos Milagres”.  Segundo eles, “projeto esse, que contribuirá para o crescimento do município, criando infraestrutura, restaurando toda área degradada, gerando empregos com desenvolvimento sustentável e justiça social´

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *