Braskem será vendida até o fim do ano que vem

Compartihe

A venda da maior indústria privada de Alagoas, a Braskem, uma das acusadas como responsável pelo desastre do bairro Pinheiro, poderá acontecer até o fim de 2021. A Petrobrás e Odebrecht, já tinham começado a negociação com uma companhia holandesa em 2019, por causa da insegurança jurídica, não houve a concretização da venda. O maior fator para que a holandesa desistisse da compra foi o plano de recuperação judicial da controladora da empresa, a Odebrecht . Nele, a empresa se comprometeu a vender a Braskem até o fim de 2021. A participação na Braskem foi dada como garantia pela Odebrecht a vários de seus credores.

Um comunicado disse: a Odebrecht informa que iniciou as tratativas para se desfazer de todas as suas ações na Braskem, uma das maiores companhias do setor petroquímico da América Latina. Atualmente, a construtora detém 38% de todo o capital e 50,1% do capital votante da companhia”.

Braskem Alagoas

Já a Petrobras, com participação de 36% da companhia e 47% do capital votante da Braskem, já sinalizou que pretende vender os papéis na petroquímica. O anúncio foi feito ainda no ano passado. O objetivo da estatal é se desfazer dos papéis da petroquímica até o final deste ano.

Criada em agosto de 2002 pela integração de seis empresas da Organização Odebrecht e do Grupo Mariani, a Braskem é, hoje, a maior produtora de resinas termoplásticas nas Américas  e a maior produtora de polipropileno nos Estados Unidos. Sua produção é focada nas resinas polietileno (PE), polipropileno (PP) e policloreto de vinila (PVC), além de insumos químicos básicos como eteno, propeno, butadieno, benzeno, tolueno, cloro, soda e solventes, entre outros. Juntos, compõem um dos portfólios mais completos do mercado, ao incluir também o polietileno verde, produzido a partir da cana-de-açúcar, de origem 100% renovável.

A Braskem está inserida no setor químico e petroquímico, que tem participação relevante em inúmeras cadeias produtivas e é essencial para o desenvolvimento econômico. Nesse contexto, a química e o plástico contribuem na criação de soluções sustentáveis para a melhoria da vida das pessoas em setores como moradia, alimentação e mobilidade.